Quando as Catedrais eram Brancas, notas breves sobre arquitectura e outras banalidades, por Pedro Machado Costa

| Subscrever via RSS

Do sabor da crítica (1)

| |























Há umas semanas atrás, numa conversa paralela a esse evento cujo teor não mais poderá ser referido, Nuno Grande poria em causa a legitimidade dos Blogues em esboçar qualquer tipo de crítica.
Afirmava Grande que a aparente facilidade com que se aborda uma qualquer obra de arquitectura num Blogue não mais é do que um simples e desagradável exercício de ligeireza e de libertinagem, pouco próprio da responsabilidade a que se obriga todo aquele que reflecte sobre a disciplina.

A Tese de Grande sustenta-se na ausência de qualquer tipo de critério, de crivo, ou de objectividade por parte de todos aqueles que publicam opiniões (maldizentes, na maioria das vezes) sobre o trabalho dos outros; devendo-se tal facto, segundo Grande, à ausência de um sistema de legitimização de tudo aquilo que aparece escrito nos Blogues. Em rigor, Nuno Grande crê que o acto de reflexão e de produção crítica ou teórica nunca poderá ter lugar num lugar (passe o pleonasmo) onde não existe ninguém (para lá do autor) que possa confirmar (ou, em limite, recusar) o teor das ideias ou opiniões que aí são expressas.

Para Grande, expôr uma ideia numa revista, numa academia ou num seminário (onde naturalmente existe um editor, um júri ou um comité científico) será o único garante da qualidade e do rigor dessa exposição; pelo simples facto do seu teor passar a estar validado por um quórum alargado, que necessariamente partilha responsabilidades pelo que é dito ou pelo que é escrito.

Mais: Grande defende (veementemente) que um Blogue que tente reflectir sobre a produção arquitectónica constitui, em primeira mão, um perigo: não só para o objecto alvo de determinada reflexão (e, por arrasto, para autores desse objecto, que desse modo vêm o seu nome e o seu objecto de trabalho arrastados na lama da web), mas também - sobretudo - para o autor do próprio blogue, irremediavelmente associado à prática da libertinagem egocêntrica e da maledicência, doravante impossibilitado de poder exercer a credibilidade em todo o seu esplendor.

Partindo do pressuposto que Grande tem razão, poderiamos chegar todavia a uma conclusão relativamente simples: se reflectir (escrever, falar, críticar, opinar) sobre arquitectura tal como hoje é feito em revistas, academias ou seminários em Portugal equivale à ideia de consentimento, então os Blogues constituem porventura a possibilidade de fuga ao consenso.

Se a fuga ao consenso não será, só por si, facto especial a assinalar, a ideia de autonomia crítica ganha contornos bem mais interessantes se pensarmos no panorama extraordinariamente conservador da reflexão arquitetónica em Portugal. Porque se é verdade que nunca, como hoje, existiram tantas possibilidades de se apresentarem, discutirem e se concluirem ideias - seja através de exposições, conferências, seminários, revistas e outras publicações que cada vez mais enchem as prateleiras das livrarias - certo é que essa multiplicidade de pontos de vista não trouxe qualquer tipo de qualificação ao debate arquitectónico.
Se a divulgação arquitectónica nunca foi tão eficaz, tal facto não abriu no entanto portas a um debate que nos permitesse validar o seu conteúdo, nem mesmo a uma crítica que pusesse em causa o seu valor.

Vem tudo isto a propósito de um texto de Tiago Mota Saraiva (roubado, pel'As Catedrais, ao Facebook) e da (falta de) discussão que provocou, tanto aqui, como ali.
Se a intervenção de TMS procurava de algum modo iniciar o debate sobre a natureza epistemológica (e politica) da Trienal, o tipo de reacções que suscitou resumiu-se a apelida-la de tola (por parte do autor do Blogue de Arquitectura mais popular em Portugal) ou, pior ainda, a etiqueta-la de simples reacção de azedume pessoal.

Este exemplo virá, em limite, dar razão à tese de Nuno Grande: a opinião (pessoal) de Mota Saraiva revela-se frágil. Frágil não tanto pelas ideias de TMS - que não chegaram sequer a ser discutidas - , mas pela falta de sustentação do texto; reflectindo desde logo essa condição (algo limitativa, é certo) da escrita curta e corrida própria dos blogues e de suportes similares.
Por outro lado a publicação do texto não terá, aparentemente, acrescentado nada de positivo ao debate: as reacções que provocou resumem-se a sugestões de má fé do autor, ou então a arrivismos de tom pessoal (é ver o comentário de Ivo Sales Costa n'A Barriga, e posterior resposta de Carrapa).
Sobre a Trienal (que seria o ponto principal da discussão que TMS se propunha a iniciar): nada.

Na verdade venho reflectindo há algum tempo sobre esta suposta validade dos Blogues em suportar discussões verdadeira e colectivamente úteis em torno da arquitectura.
Por um lado tem(-me) sido difícil chegar a conclusões que ultrapassem a esfera meramente pessoal dos textos, opinões ou críticas que são veiculados pelos poucos blogues de arquitectura que de algum modo procuram ser interventivos em Portugal.
Mesmo no caso em que os textos publicados são claros - já que, muitas vezes, o texto original nos surge encriptado -, e devidamente argumentados - o que se demonstra difícil num suporte que não convida à leitura de textos longos - , o tipo de reacções que suscita só pontualmente permite acrescentar algo mais ao texto original.
Por outro lado é cada vez mais claro que um qualquer texto publicado num blogue sobre determinado projecto ou obra é na maior parte das vezes tido como um ataque directo ao seu autor, e não tanto como um contributo para a construção do significado desse objecto. Um simples exercício de maledicência, portanto: destrutivo, inibidor, libertino. E sem qualquer tipo de generosidade construtiva.

São poucas as reacções directas a textos publicados n'As Catedrais. Mesmo aqueles que visam directamente uma obra, concluem-se quase sempre pelo teor do que escrevo; sendo poucas vezes confrontados, e nunca contrariados pelos seus autores.
E no entanto, ao invés de se criarem pontos de discussão e de contrução de ideias, esses são os texto que nos levam a criar imimizades; ou, como diria Nuno Grande: actos que nos levam a cavar as nossas próprias sepulturas.

Percebe-se, então, porque não existe crítica de arquitectura em Portugal: ninguém quer, afinal, cavar a sua própria sepultura. Confirmando, aliás, a resposta que um dia me foi dada por um editor de uma das revistas nacionais com maior implantação no mercado, ao desafio em começar a publicar textos críticos nas páginas da sua revista.


ps. que este texto sirva também de resposta (atrasada, muito atrasada) a Tiago Borges.

19 comentários:

Nuno Grande disse...

Vá lá, pronto... eu respondo-te Pedro, só para aumentar o tal nivel de participação que tu tanto desejas.
Não, não falei em "perigo" dos Blogues. Sou pela democracia e pela liberdade de expressão nos Blogues, às mesas de café, ou em qualquer outro lado.
O que te disse é que uma opinião emitida sem escrutínio editorial ou científico, sem admitir o contraditório (não confundir com a hipótese de comentário como este) não pode ser considerada Crítica de Arquitectura.
Isso seria injusto para aqueles que, durante anos, viram os seus artigos julgados, recusados, que tiveram que se submeter a escrutínios rigorosos para puderem publicar, em Portugal ou no estrangeiro (em jornais, revistas, livros, catálogos, etc...)
O exercício da crítica é uma profissão, tem regras, paga impostos, não é uma actividade amadora.
Conheces aquela história dos "treinadores de bancada"? Os Blogues estão cheios deles... e alguns até conseguem acertar no prognóstico depois do fim do jogo (como diria o outro).
Em qualquer disciplina, fazer crítica dá trabalho... pressupõe investigação, leitura, consulta de fontes, entrevista, debate, confrontação. Para que se possa ir para lá da mal-maldicência leviana.
A "sepultura" de que te falava, não está destinada aos que tiveram coragem de criar as suas páginas ou escrever em Blogues. Destina-se, fatalmente, aos que não tiveram coragem suficiente para ir mais longe do que isso.
Mas ficas, desde já, a saber: se tiveres esse intuíto, e procurares escrever, com frequência, em suportes mais credíveis e escrutináveis, serei um dos teus primeiros apoiantes.
Abraço

AM disse...

eu, ODP, adoro a libertinagem dos blogues :)
a opinião de NG está prá "blogosfera de arquitectura" como a opinião de Sousa Tavares (filho) está pró "Espesso" e eu quero que os Sousas Tavares e as Claras Ferreiras Alves e essa pandilha toda do opinanço "abalizado" (e pago...) bá pelo cano
a blogo está cheia de treinadores de bancada / a academia e as revistas carregadinhas de intelectuais... pois...
ah, como é perfeito o mundo das dicotomias a preto e branco dos Grandes, como é cómodo esboçar um tratado das Tordesilhas da inteligência e do "mal-dizer" e depois escolher como nosso, para nós (quem parte e reparte...), o lado "certo"
o NG acha que muitas das postas que se escrevem por aí não dão "trabalho", que não exigem "investigação", leitura (nomeadamente de outros blogues), consulta de fontes, "viagens", etc.!?
leia melhor!
digna de um treinador de bancada é a opinião de NG sobre a actividade de tantos e tantos bloguers (e não apenas e/ou necessariamente os de arquitectura) que, pelo que diz (e escreve), desconhece
mas mais grave que escrever sobre aquilo que desconhece é querer fazer - quando fala sobre o rigoroso escrutínio de tanto o que se publica por aí (e não apenas em Portugal...) - é querer fazer os outros de parvos
no meu ODP, ao longo de quase 5 anos de postas, tenho vindo a prestar particular atenção às publicações de arquitectura: considerá-las um exemplo de "rigor" é, no mínimo, patético
dizer que os blogues acertam no prognóstico depois do jogo (está a falar do quê!?) é não dizer nada
o "problema" dos NG's é precisamente o inverso
ele(s) sabe(m) que pela blogo vão ficando umas verdades e é isso, (mal) habituados que estão aos salamaleques das academias, que os incomoda
a última frase do comentário é esclarecedora
o que interessa não é o que se escreve, mas "onde" se escreve
se desistires dessas tuas parvoíces Pedro, se pedires a bênção dos papas dos suportes "credíveis" (quais!?...) porque "escrutináveis" ainda te safas...
o aviso (uma espécie de sinistra e velada ameaça...) está feito

T Häuser disse...

1 - todas as generalizações estão erradas. 2 - como tal, nem tudo o que é feito pela "academia" está mal nem tudo o que é feito pela blogosfera está mal. 3 - é verdade, e não faz mal dizer, que publicar num blogue é infinitamente mais fácil do que publicar numa revista. e não é só pela falta de compadrio que ajude, é também por haver critérios (por muito errados que estejam) editoriais. não só de conteúdo mas também de qualidade (da escrita, mesmo que a nível estritamente formal) 4 - ou seja, o presidente dos E.U.A pode tentar governar o mundo da mesa de um café, mas não é habitual que o faça (nem natural). 5 - a própria "academia" tem blogues (e logo o arqº Pedro Gadanho, amigo pessoal do arqº Nuno Grande). Não me parece por isso que o problema esteja nestas definições parvas, maçadoras e desinteressantes que se tentam cavar entre uma suposta alta e baixa cultura, ou lá o que é. Entre uma cultura válida e inválida. O que todos queremos afinal são textos de qualidade, bem escritos e que, acima de tudo, tenham impacto e possam ser discutidos. 6 - não vale por isso a pena perdermos tempo a discutir um com os outros quando, afinal, todos defendem o mesmo. aliás, esse é um dos maiores problemas da arquitectura portuguesa: está demasiado habituada a discutir consigo própria e habituada de menos a discutir-se a ela mesma com todos os outros. (não arquitectos)

Lourenço Cordeiro disse...

É óbvio que a Crítica de Arquitectura não tem lugar nos blogues. Um blogue, pelo imediatismo da sua leitura (e não tanto da sua escrita) não é mais do que um espaço de provocações e sugestões que nunca poderá ser entendido como «crítica». Nisso Nuno Grande tem razão: a crítica, como exercício dialético, exige algum confronto com a academia, exige um teor mínimo de peer review. O erro está em admitir a hipótese de essa crítica existir nos blogues e vir cá à procura dela.

(o) arquitecto disse...

critiquem isto isto

Anónimo disse...

Não se deve tomar o todo pela base nem a base pelo todo.
O livro (inclua-se no conceito o jornal, a revista e o catálogo) e o blogue são plataformas de publicação de conteúdos. Uns e outros revelam o esforço científico e rigor que o autor lhes pretender dar.
No que diz respeito ao escrutínio público e científico no campo da arquitectura publicada, parece-me que é muito maior e eficaz na blogosfera do que nos livros. Isso ainda é mais patente no contexto nacional onde o conservador meio das publicações está absolutamente blindado à crítica da crítica. Para além de estar convencido que os blogues, actualmente, têm muito mais leitores que os livros estou certo que o seu escrutínio é muito imediato e arriscado para quem escreve coisas de que não está muito certo (isto, claro, depende sempre do número de leitores tanto nos blogues como nos livros).
Contudo parece-me que o Nuno merece um elogio pois tem a coragem de dar a cara pela tradicional oposição entre as plataformas tradicionais de publicação e a Internet - questão que já se colocou nas mais variadas áreas e que se tarda a colocar na arquitectura (talvez a crise ajude). Não creio que a Internet destruirá o livro, mas estou certo que, brevemente, também na área da arquitectura publicada abanará qualquer coisa.

tms (o Mota Saraiva do post)

António Sérgio disse...

Por esta estrada, o advento da Arquitectura Moderna deve ter sido de uma crueldade insuportável para os pedreiros.

O que diria o homem por detrás do "Abrupto" de tudo isto?

Já há uns tempos escrevi nesta caixa de comentários, algo semelhante, que existe uma classe em tudo o que se faz neste mundo. Chamam-se charlatões. É preciso distinguir entre esses e os outros, por outras palavras, THäuser tem razão no ponto 1, e só esse bastava.

E depois, insisto em não perceber porque raio se continua a escrever Crítica de Arquitectura como se se tratasse de nomes próprios.

Não esperem argumentações elaboradas para as minhas idiotices, mas com a inteligência que suponho todos vós possuís, os 4 parágrafos anteriores são o suficiente para onde quero chegar.

joão amaro correia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
joão amaro correia disse...

parece-me que falamos de coisas diferentes quando falamos de blogs, revistas, livros ou academia. e não sendo suportes ou meios exactamente iguais, as características dos conteúdos serão necessariamente diferentes. mas em todo o caso, o que aqui se está a discutir, seja em que formato for, é, parece-me, a execssiva 'institucionalização' primeiro da arte e da arquitectura e depois da crítica. ou talvez ao contrário.
porque o paradoxal desta era, é atingirmos uma época em que todos (ou quase todos) poderão lançar uma 'opinião' ou crítica para o espaço público e, em sentido inverso, a crítica ou a arte ou a arquitectura, ver-se na contingência de uma legitimação por parte do 'meio', regra geral pares do ofício ou academia. uma espécie de refúgio que facilmente se entende à luz da infinita disparidade de leituras, 'opiniões' e críticas. procurar um lugar seguro, onde um mínimo de critérios científicos sejam aceites pela comunidade.
e depois da profusão da opinião, que se confunde com crítica, é provavelmente a maneira de encontrar terreno seguro. daí, presumo, a dificuldade da crítica 'estabelecida' em aceitar outras vias, formatos, suportes, para encetar o debate.
e depois esta terrível dificuldade de à luz de códigos que se pretendem racionais e 'científicos' na construção de um edifício crítico - intrínsecos à disciplina, como pretendes, pedro - o modo como se faz a escolha dos objectos 'criticáveis' escapa, suspeito, em muito a esse critério racional. tudo bem, são escolhas.

e falar de uma blogosfera de arquitectura, quer dizer, é falar de uma inexistência.

p.s. tiago, agora pareces o sócrates deslumbrado com o poder das 'novas tecnologias'. e aliás, acho que no teu comentário confundes crítica com opinião e com divulgação - sendo que estas duas são já formas de crítica (mas com que critério?).

AM disse...

esta coisa da diferença entre opinião e crítica recordou-me, não sei porquê (ou sei!?...) uma conversa antiga, na televisão (salvo erro com o escultor João Cutileiro) sobre a diferença entre o amor e a pornografia em que o primeiro aparecia todo envolto em laços "cor-de-rosa" e o segundo embrulhado nas mais tenebrosas brumas da vergonha...
ainda não percebi se para os camaradas comentadores (Avante, dialético Lourenço) a diferença entre opinião e crítica é "apenas" (?) a de uma diferença de "grau" (ou de "intensidade"), ou se é (e nesse caso o quê!?) mais (ou menos) do que isso?
preferia discutir menos a diferença entre opinião (dos blogues) e a crítica (dos "outros") que a diferença entre a "boa" (a "justificada") e a "má" (a "injustificada") crítica
o que é mais curioso, é que lançando NG um ataque demolidor à actividade (crítica, ou não) dos bloguers, não aproveite as facilidades para desmontar (criticamente) as suas "falácias" (e restantes insuficiências...)
dizer que a blogo é um espaço de leituras "imediatas", por contraponto, suponho, a leituras mais "aprofundadas" e "demoradas" também não convence ninguém
no nosso tempo todas as leituras são "rápidas"
as "obvias" diferenças "críticas" entre os blogues e os "outros" é conversa de fundo dos respectivos quintais
um livro como aquele da "rua da estrada" que o conte...

AM disse...

(o) arquitecto

procuro não comentar obras de arquitectura só pelas fotos
dá para ver os desenhos (pelo menos as plantas) em qualquer lado?

T Häuser disse...

E no fim disto tudo temos o caso do bldgblog, que virou livro...

shrapnelcontemporary disse...

Tenho pena de não ter tempo para responder a todas as questões aqui colocadas e principalmente para não poder retorquir mais alongadamente ao modo falacioso como o meu "amigo pessoal" Nuno Grande coloca a questão da Critica de Arquitectura (com letra grande). Presunção e água benta cada um toma a que quer. Um projecto crítico é obviamente independente do suporte e até pode ser mais consistente por justamente se opor aos circuitos de legitimação que se instalaram em torno de certos meios e fóruns, nomeadamente académicos. Que os bloggers fiquem sem resposta, ou façam vénias às falsas evidências só significa que faltam bloggers de qualidade em Portugal. Que os há e nos quais incluo a Catedral. E acrescentaria a resposta de Sam Jacob quando os críticos com lugar aquecido nos jornais ingleses fizeram as mesmas acusações que o Nuno aqui "repete"... Passou a exibir um banner de fina ironia que diz: "Os conteúdos deste blog não são válidos para propósitos de investigação." Todos satisfeitos?

AM disse...

peter :)

como é que eu desenho um "banner" com o seguinte dizer: "ODP, um blogue ora crítico ora nem por isso rejeitado pelo venerável Nuno Grande" :)))

T Häuser

é o que não falta, malta que "acumula"

tms disse...

caros, só uma aclaração:
quando falo de crítica entendo-o como escrita sobre arquitectura.

Quando as Catedrais eram Brancas disse...

Obrigado pelos comentários. A participação de Grande (bem vindo à Blogo) levanta evidentemente um rol quase infindável de questões difíceis (lá está uma das limitações dos blogues) de serem debatidas por aqui. E no entanto é isso exactamente que se propõe: fazer Grande sair dessas tão confortáveis trincheiras em que se limita a observar (os adversários) e pô-lo a correr sobre o arame farpado e (espectavelmente) sob fogo cerrado.

(o) arquitecto disse...

aqui seguem (no link) os desenhos, conforme solicitado num comentário acima

http://www.dezeen.com/2010/11/25/house-in-oporto-by-alvaro-siza/#more-105575

tiago borges disse...

Numa caixa de comentários, "it´s never too late".
Lá fora e em directo pela net, estão a falar do mesmo problema que se levantou sobre o 'sabor da crítica'...
está a dar agora e em directo.

http://www.domusweb.it/en/news/critical-futures-/

Anónimo disse...

Diria que a posição de Tiago Mota Saraiva é de alguém que perde tanto tempo em blogues de política que não tem tempo de fazer nem pensar a arquitectura, é o tal "deslumbramento com as novas tecnologias"...
tenham medo!

arquitecto

Tags