Quando as Catedrais eram Brancas, notas breves sobre arquitectura e outras banalidades, por Pedro Machado Costa

| Subscrever via RSS

Cut

| |


















Girl in two halves (da série Conjuration), n/dat. Clare Strand

Caixas. Caixas e a cabeça separada do resto do corpo. Ou uma possivel ilustração da arquitectura portuguesa contemporânea.

16 comentários:

i m disse...

é uma ilustração de uma parcela apenas ... na verdade, visto daqui (e a quem não interessam caixas) parece ser uma imagem de uma performance. para quê sonhar com fantasmas?

joão amaro correia disse...

resta saber onde está a cabeça e os membros.
tenhos as minhas desconfianças. e teorias.

j

jesus disse...

Arquitectura(s) desmenbrada(s)

[o] arquitecto (com variação do "o" em caixa) disse...

belo post,
era aquilo que dizia, problema não são as caixas, são quando elas se revelam despropositadas e "encaixadas" à força para a resolução do problema inicial que a arquitectura colocava ao arquitecto, revelando-se depois como um corpo desmembrado, com pernas para andar, mas sem cabeça.

[o] arquitecto disse...

CUT

no EDIT, tb se lhe junta (ao CUT) o COPY e o PASTE, que tb tem muito a ver com o motivo do post, creio.

AM disse...

burguesas lubrificadas...
mulheres serradas ao meio...

cut (ou cunt?)
é a altura, porventura, de arriscar
uma síntese, freudiana, da temática...

AM, o poeta (in-autêntico)

antónio sérgio disse...

ilustre-me a outra arquitectura

Pedro Machado Costa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Quando as Catedrais eram Brancas disse...

Inês: é verdade: não vale a pena sonhar com fantasmas. Mas é que é cada vez mais díficil controlar os sonhos. Ou, neste caso, os pesadelos.

João: Venham de lá essas teorias. E desconfianças.

(o) arq: fala.se de quê? de Angra?

Am: um prodigioso poeta. O nosso bukowski de serviço.

António Sérgio: no post a seguir

joão amaro correia disse...

lamento intrometer-me entre pedro e inês, não vale, de facto, a pena sonhar com fantasmas. aos fantasmas, aniquilemo-los. são espectros perniciosos que atacam o desejo. e suspeito que na arquitectura portuguesa haja dois ou três fantasmas a tutelar o imaginário. ia dizer desejo, mas esse, parece-me, está ausente da produção corrente. e o imaginário é correlativo à cultura.

quanto às minhas teses, deixa-me só acabar com este tullamore drew, já vou a isso. ou mais para diante.

(o) arq: disse...

ups... agora era apenas e só de caixas.

ines m disse...

enquanto a hegenomia se dissemina pelo discurso, e pode ser fantasmagórica, pensar numa espectralidade pode ser mais subversiveo, pois estabelecem relações entre o presnete, o ausente, e o inexplicável. A mim interessa-me o inexplicável. e as caixas são demasiado explícitas e pouco estimulantes. estão lá e pronto. proponho que olhemos para o lado...

quanto a ordinarice... :P

Francisco do Vale disse...

Mas... Onde está o "gajo" com a serra?...
:)

Quando as Catedrais eram Brancas disse...

Quem? O Richard Serra?

Francisco do Vale disse...

haahah... naa, mas nessas coisas d caixas cortadas e desmembramentos há sempre um ilusionista de serra :)

ines m disse...

fazem-se escolas inteiras disso.. são serras de corte claro...

Tags