Quando as Catedrais eram Brancas, notas breves sobre arquitectura e outras banalidades, por Pedro Machado Costa

| Subscrever via RSS

Teoria sobre a notada ausência de rodapés na arquitectura contemporânea

| |























Casa Hannepin, Illinois, 2008, UrbanLab (via Unhappy Hipsters)

Para além da refinada ironia do Unhappy Hipsters, nele sobressai uma aparente condição (ao uso) da casa d'hoje: nelas as pessoas andam sempre descalças.
Raro é a habitante contemporâneo que não opte por se demonstrar informal em casa, deixando os sapatos de lado - mais as mulheres que os homens, é certo; o que revela ainda alguma diferenciação na maneira como uns e outros se vão apropriando das coisas -, fenómeno esse impossivel de observar, por exemplo, nas gentes que habitam as fotografias de Schulman.

Afinal nunca se encontra ninguém descalço numa casa modernista (isto, claro, com excepção daquela imagem de Le Corbusier na casa de Eileen Gray; mas mesmo essa não é totalmente conclusiva sobre o facto); sendo de facto difícil imaginar alguém a caminhar sem sapatos numa casa de Loos ou de Mies.



















"Cocktail hour" na Casa Spencer, 1950, Richard Spence (fotografado por J. Schulman)

Poder-se-ia concluir que aquilo que nos afasta definitivamente do moderno é a ambição pelo conforto. Se é um facto que hoje andamos descalços em casa, sabendo no entanto que os sapatos que usamos agora são bem mais confortáveis do que os de à sessenta anos; adjectivo esse que não se aplica necessariamente às casas.

2 comentários:

AM disse...

I drew 550 different shoes today, it almost made me faint
Open house

joão amaro correia disse...

http://www.georgesrousse.com/selections-d-oeuvres/01-figuration.html

não conhecia, descobri-o a partir de um texto do el país (a propósito da expo. do schulman em madrid).

k

Tags