Quando as Catedrais eram Brancas, notas breves sobre arquitectura e outras banalidades, por Pedro Machado Costa

| Subscrever via RSS

Adenda à entrada anterior

| |














































Cmia - estaleiro de obra, a.s*; fotografias de J.P. Tavares, 2009


De certa forma é pelos restos das coisas - aqueles restos pelos quais ninguém se interessa - que de algum modo as coisas se podem explicar. Não é que os restos em si sejam importantes. Não são. O problema é que, aparentemente, os restos dão muito trabalho.

6 comentários:

joão amaro correia disse...

what's he building in there?

AM disse...

que lindo pá
muitos parabéns
para ti, para o fotografo e para os outros todos que andam de volta disso

thenriques disse...

parabéns pedro.
gostei muito de ver estas 1as imagens.

Pedro Machado Costa disse...

JAC: é uma coisinha de nada, na verdade, com menos de um punhado de metros. Irei tentar acompanhá-la pelas Catedrais

AM: fico sempre na dúvida de hei-de denotar fina ironia em tuas palavras. Obrigado

TH: pois é T. a coisa vai lenta, mas vai bem. Muito me contenta ler-te.

AM disse...

sincero, sem (grossa) ironia (mas não digas nada a ninguém que eu tenho uma reputação a defender) :)
agora vê lá se não começas a cantar vitória antes do tempo (ou das fotografias...) :)

thenriques disse...

algures (em março?) numa leitura "da barriga" não pude deixar de reconheçer um estilo (de escrita) por mim muito apreciado.faz falta à arquitectura portuguesa. silenciosamente, por cá, continuarei.

Tags