Quando as Catedrais eram Brancas, notas breves sobre arquitectura e outras banalidades, por Pedro Machado Costa

| Subscrever via RSS

Sobre a confusão entre arrojo e estupidez

| |





















Igreja de São Francisco Xavier, Lisboa, Troufa Real [2009]

Depois não andem para aí a dizer que a igreja católica é uma instituição conservadora.
Não é. Não pode ser. É que há uma condição necessária ao conservadorismo [que, aliás, partilha com o progressismo]: a capacidade de pensar.

ps: A igreja de São Francisco Xavier encontra-se a fazer um peditório para ajudar à construção da coisa. No entanto é de notar: certamente já todos nós demos dinheiro para causas bem menos interessantes.

5 comentários:

Filipe Borges de Macedo disse...

Todos nós já demos realmente dinheiro para peditórios para causas menos interessantes, contudo devo notar que nunca dei para peditórios fraudolentos.
Neste caso a fraude é consumada pelo facto de nos estarem apedir diinheiro para construir uma igreja, quando de facto pretendem construir um parque temático. Será este o novo Aqua Park do Restelo? Irá ter escorregas nas ondas? Ou o ar lustroso esconde uma sala de jogo? Ou terá algum salão com pavimento em xadres com cabides para aventais? não sei ao certo,mas qualquer uma das hipoteses é valida.

Daniel dos Santos disse...

Até mete medo ao susto! Realmente parece fotocopiado de um parque temático! Era bom ler a memória descritiva para entender o porquê de tamanha aberração.

AM disse...

devo confessar (para mal dos meus pecados) que adoro esta coisa do troufa
é hilariante
não é para levar a serio
e daí!?
o que é que é para levar a serio na arquitectura dos dias que correm!!!???...

Viktor disse...

Numa cidade cinzenta, qualquer novidade é sempre contestada. Parabéns à paróquia do Restelo e à diocese de Lisboa! Apresentou, de forma muito surpreendente para muita gente, o mais fantástico e anti-establisment dos edificios a construir na cidade em muitos anos!
Esta igreja é presentemente, o maior símbolo do quebrar com tabus e normas caducas! È uma arquitectura revolucionária e interventiva, sem se vergar ao politicamente correcto e normativo dos "fazedores de opinião" e dos "velhos do Restelo"! Que grande igreja! Voltei até a ser católico!

Pedro Machado Costa disse...

Meu caro Viktor: obrigado pelo comentário.
Não se trata, julgo, de um problema de cinzentismo, ou de novidade. Nem sequer é um problema que resida no revolucionário ou no interventivo. Não. Nem sequer é uma questão de gosto. Quer dizer: não é que goste da igreja, mas isso não é importante.
O problema aqui reside na falta de qualidade do projecto. É um projecto que, sob tal essa tal capa da diferença, tenta impingir um mau projecto, pouco trabalhado, nada explorado, contraditório, equivocado, e mal desenhado.
Digamos que o problema da igreja reside sobretudo em ser um mau projecto de arquitectura. Digamos assim: se fosse um livro, a coisa estaria cheia de erros, frases inacabadas, repetições, mau uso de tempos verbais, etc. Dessa fora apenas se concluí: não há revolução possivel feita por quem se está nas tintas.

Já agora: boa sorte para o blog.

Tags