Quando as Catedrais eram Brancas, notas breves sobre arquitectura e outras banalidades, por Pedro Machado Costa

| Subscrever via RSS

As coisas já foram melhores

| |

É no mínimo curioso constatar que desta mão cheia de filmes, os dispensáveis são exactamente os mais recente. Pode ser que Of Time and the City seja uma boa surpresa - assim o espero; mas o que é certo é que se vai notando um certo declínio à medida que o tempo passa. E olhem que isso não é só um fenómeno cinematográfico. Digo eu: um optimista convicto.

5 comentários:

Pedro Jordão disse...

O entendimento do que é a relação entre arquitectura e cinema é que permanece, como quase sempre neste tipo de ciclos, tristemente redutor. Cenários, paisagens urbanas, biografias reais ou ficcionadas de arquitectos. Nenhuma reflexão sobre espaço, corpo, cidade, nada.

joão amaro correia disse...

tens razão, pedro (jordão).
espaço, corpo, cidade, paisagem: tempo.
para além de 'fachadas' mais ou menos cinematográficas, imagens bi-dimensionais, tudo o resto, a relação entre o cinema e a arquitectura é sempre amputada.

Anónimo disse...

Tomem a suspeita: mas estes comentários parecem conversas de academistas. Temas de douturamentos que não levam a lado nenhum...

Como bem diz Herberto Helder:

" a universidade produz o burocrata. E o burocrata é por natureza alguém a quem mataram o impulso e o interesse pela originalidade"

Dioniso disse...

"vai notando um certo declínio à medida que o tempo passa"

Profundamente em desacordo... Só em Portugal muito se faz, e de forma sublime. Pensemos no Pedro Costa...

Um filme muito interessante e recente é este:
http://www.imdb.com/title/tt1319569/

Pode dar aso a um post aqui e a uma boa discussão.

O que é preciso é estar atento porque infelizmente os melhores filmes não vêm ter connosco.

Dioniso disse...

Ooopsss... esqueci-me do João Dias com o "As Operações SAAL".

Já não é pouco para cinco minutos de memória...

Tags