Quando as Catedrais eram Brancas, notas breves sobre arquitectura e outras banalidades, por Pedro Machado Costa

| Subscrever via RSS

Massad por Augé

| |



Era disto que Massad falava, quando falava na obrigação de mudar a forma das coisas: de Ordos, por exemplo. Alega Massad que a aceitação cega da cenoura (à frente do burro) equivaleria à própria destruição do significado da arquitectura - isto dito por mim.

Não se trata obviamente de um problema de consciência, até porque seria uma hipocrisia pensar-se em alguém que tem como única ambição fazer arquitectura fosse capaz de desprezar uma encomenda como a de Ordos - e aqui a minha posição é de que não há nenhum trabalho que mereça a recusa. E no entanto a questão não reside tanto na recusa ou no seu contrário, mas antes na capacidade em agir criticamente sobre ela. Ou seja: ser capaz de inverter as regras do jogo.

O problema aqui é que não acredito que alguém tenha já vontade de mudar qualquer tipo de regras.

3 comentários:

paulomoreira disse...

conheces esta proposta:
http://bakerhouse.org/
diz lá que isto não é subverter as regras...
abraço
p.

jraulcaires disse...

Augé é interessante. fala-nos de não lugares. E se calhar a arquitectura começou com a criação do lugar. As voltas que o mundo deu...

Anónimo disse...

A arquitectura também faz não lugares:
parques de estacionamento, aeroportos e até espaços demasiadamente específicos que não chegam à condição de lugar humano - onde não se estabelecem laços de afectividade ou razões de coesão social.

É neste sentido que Ordos não passa de um não lugar anedota: com narrativa ainda mais picante do que um qualquer resort assinado por arquitectos de blaser preto.

Tags