Quando as Catedrais eram Brancas, notas breves sobre arquitectura e outras banalidades, por Pedro Machado Costa

| Subscrever via RSS

1989

| |
















Berlin: Hans Conrad Schumann em Bernauerstraße, 15 de Agosto de 1961; Peter Leibing (via Iconicphotos)

Não há especial grandeza estética nas imagens que Patrick Rotman nos oferece no seu Un mur à Berlin. Na sua maior parte são cenas filmadas por amadores. Um por câmaras de televisão daquelas que se usam nos noticiários. E no entanto, neste documentário residem das mais belas sequências humanas dos últimos 20 anos. Contrapostas que estão a algumas das mais trágicas sequências humanas do último século.

4 comentários:

joão amaro correia disse...

apanhei esse doc quase por acaso. no dia anterior tinha estado a ver o 'triunfo da vontade' da leni.
paradoxais as formas com que se mostram antagónicas 'substâncias'.
e a sensação de ter regressado aos noticiários de 1989.

Pedro Machado Costa disse...

JAC: então agora fecham-se e abrem-se botequins sem aviso prévio?

joão amaro correia disse...

é preciso que tudo mude para que tudo fique na mesma.
(lê esta frase e pensa na sequência inicial do gatopardo, a entrada para o palácio na sicília)

Pedro Machado Costa disse...

OLha que estamos bem um para o outro: se no Hitch é a Eva, no Visconti é a Claudia. Tudo o resto fica invisível.

Tags